“Não foi um acidente”, afirma diretor geral do Rally Cerapió sobre morte de piloto

O diretor geral do Cerapió também afirmou que todos os pilotos que participam do evento passam por rigorosa avaliação médica.

O diretor geral do Rally Cerapió, Ehrlich Cordão, explicou na manhã desta sexta-feira (28) como foi o processo de buscas ao piloto Daniel Santos, 36 anos, que foi encontrado morto em uma trilha no Ceará. Segundo Cordão, o piloto passou por um processo de exaustão e no local não havia sinais de acidente e nem violência. 

Daniel Santos participava da prova quando desapareceu na última quarta-feira. Ao ser localizado, a moto estava estacionada e o corpo dele caído ao lado do veículo. O corpo foi achado em trilha na cidade de Granja (CE) e levado para o IML de Sobral (CE). A causa do acidente ainda será investigada. 

“A gente acredita que ele teve um processo de exaustão. fez um esforço físico muito grande, errou a trilha e isso dificultou a nossa equipe de busca. Ele estava deitado no chão de bruços, com a moto dele em pé, sem capacete e sem o colete. Deu tempo ele tirar tudo isso. Não foi um acidente violento, porque a nossa prova não é uma prova de velocidade, é uma prova de regularidade. A gente ficou muito triste com isso, a gente lamenta o que aconteceu com ele”, afirmou o Erlich Cordão, em um vídeo divulgado pela assessoria de comunicação do evento. 

O diretor geral do Cerapió também afirmou que todos os pilotos que participam do evento passam por rigorosa avaliação médica. Ele destaca ainda que, durante as provas, equipes de socorros e paramédicos acompanham o trajeto dos competidores. 


“A gente tem uma preocupação muito grande de exigir de todos os inscritos o atestado médico”, destacou. 

Fonte: Cidadeverde.com

Dê sua opinião:

Voltar para o topo